quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

O pó de uma mentira

Gélida… Por vezes é mesmo assim que me sinto quando me deparo com a realidade do mundo. Fico sem saber o que dizer, sem saber o que fazer, fico completamente à nora sem saber realmente como devo agir. Tento, juro que por vezes paro, me isolo e tento entender certas atitudes, tento encontrar uma razão ou até mesmo um motivo suficientemente forte para certas situações que a vida me proporciona.Mas não Não há explicação para aquelas “chapadas” que nos dão que, mesmo não sendo físicas, nos deixam uma marca bem forte. Por mais que tente não consigo perceber porque é que tem que haver tanta falsidade em nosso redor quando tudo podia ser tão simples, quando tudo podia ser de uma forma tão diferente… Mas sabem uma coisa? Ou é o hábito, ou outra coisa qualquer, eu já não me admiro, já não fico surpresa com as pessoas que pisam o risco e vivem constantemente uma mentira, mentira que alimentam e a deixam crescer sem consciência das consequências daquele acto, sem consciência que aquele segundo das suas vidas lhes pode acabar com todas as ambições, com todos os sonhos. Agora uma coisa podem ter a certeza: já não dou importância a isso. É triste, acreditem que é triste mas infelizmente a realidade é mesmo essa, e eu estou de consciência tranquila, e isso para mim basta…Pára um bocadinho para pensar e olha à tua volta. Repara no que estás a perder e lembra-te que no fim não serei eu a acabar sozinha… Mesmo assim, ainda não percebes-te em quem está o erro?

Sem comentários: