quinta-feira, 17 de março de 2011

A miséria da Vida

Como seria a nossa vida sem por vezes brincarmos com ela? Miserável. Como seria a nossa vida sem muitas vezes tentarmos cantar para esquecer os problemas, ou rir para impedir que as lágrimas se exteriorizem? Miserável Como seria a nossa vida, sem naqueles momentos de agonia esquecermos todos os problemas, e fazermos de conta que está tudo bem e que tudo corre a nosso gosto? Miserável. Como seria a nossa vida sem nos deixarmos um pouco à parte a nós próprios e nos centrarmos nos problemas dos outros, no que aos outros consome? Miserável! O que seria da vida sem brincarmos com os nossos espectros e sem por vezes nos camuflarmos numa força que na realidade não existe? Miserável.Pois é. Que querem mais de mim? Que me pedem mais? Que posso eu fazer, se sou mesmo assim? Cada um leva a vida à sua maneira, cada um tem a sua forma própria de agir perante um obstáculo. A minha é esta… Quem não me conhece, provavelmente pensará que ando sempre feliz e que a minha vida é um “mar de rosas”.Mas não! Também na minha vida há espaço para espinhos e para aqueles momentos em que nada nos corre bem, também na minha vida existem episódios em que, por muito que alguém precise de mim, eu não consigo ajudar pois nem comigo própria estou em sintonia. Acreditem ou não, também para mim existe momentos desses e também eu já senti na pele o que é uma “desilusão”. Mas tudo é mesmo assim… É  a suprema lei da vida e nós nada podemos fazer para a inverter, ou para a moldar à nossa imagem. Cada um tem a sua forma de a encarar, e a minha é cantando, dançado, pulando, rindo, fazendo de cada sonho um motivo para ir mais além, de cada vitória um motivo para me sentir concretizada e de cada derrota um motivo para  continuar a luta…enfim de todas as formas possíveis e imaginárias para que nada esmoreça, para que nada se torne ainda mais num pesadelo,…E se querem que vos diga mais, a maioria das vezes não faço tudo isto para mostrar força ou para transparecer felicidade, simplesmente não quero ser igual aos outros que se afunda nas suas próprias lágrimas,  enfim, simplesmente sou assim para que a minha vida não seja algo… MISERÁVEL!