segunda-feira, 13 de junho de 2011

Pois é tão fácil ser feliz!



Sinceramente já tinha saudades…. Saudades, imensas saudades de sair do cubículo e vir respirar o ar puro que há cá fora, saudades de me libertar e poder voltar a ser quem sou, ser eu na versão original. Saudades de rir até chorar, de saltar até não poder mais, de correr atrás dos sonhos até ficar sem fôlego. Acreditem mesmo que já tinha saudades de fazer o que me apetece, de agir como bem entender, sem ter medo que isso possa estragar alguma coisa. E pronto, é mesmo assim, estava farta de usar uma máscara de mim mesma, de distorcer a imagem que o meu espelho reflectia, estava farta de me camuflar numa personagem que não sou e que nunca, mas mesmo nunca me assentou bem. Hoje finalmente consegui abrir a janela para a vida, para o mundo, (…) Já consigo viver sem pensar no amanhã, viver segundo a segundo, minuto a minuto, dando apenas como garantido o que já aconteceu, isto é, o que tenho a certeza que não vai regredir, que não pode ser apagado. Hoje finalmente ganhei novos horizontes, estabeleci prioridades, e mudei as minhas perspectivas de vida. Já não tenho que criar a minha própria realidade só para não me magoar, hoje vejo as coisas tal e qual como elas são, e tudo chega a mim exactamente como é. Estou bem, sinto-me bem comigo mesma, sinto-me tal e qual como sou, finalmente reencontrei-me com as cores do mundo, e assim, deste modo, consigo ir muito mais além, consigo voar sem ter limites, consigo ultrapassar-me a mim mesma, e lutar para vencer cada desafio? Para mim é pouco! E tudo isto não porque me tornei noutra pessoa, não porque mudei a minha personalidade, mas sim porque agora descobri que basta querermos e termos força de vontade para não desistirmos de nós próprios (…) E só assim consegui perceber que é tão, mas tão fácil ser feliz!