quinta-feira, 14 de julho de 2011

(Des)arrumação do meu quarto

É engraçado como hoje, ao pensar em todas as fazes da minha vida, a identifiquei e a comparei ao meu quarto. Toda a roupa estendida na cama fruto de todas as vezes que tiro milhares de peças do guarda-vestidos para decidir o que vou vestir, fizeram.me lembrar aquelas vezes em que ficava eu, estendida no chão, em busca de procurar forças para lutar por uma causa impossível, ou simplesmente aquelas vezes em que perdia o fôlego por completo. Aquelas gavetas desarrumadas que mal fecham por haver “trapinhos” de fora são iguaizinhas ao meu coração quando embirra comigo e decide “bater o pé” e impor-se para não se fechar a quem não merece, a quem nunca havia ter significado alguma coisa. Os tapetes no chão revirados de tanto andar para trás e para a frente são exactamente a minha imagem quando pegavas, usavas e atiravas para o chão, como quem masca uma chicla e a deita fora quando perde o sabor. E até aquelas marcas, até aquelas manchas na minha parede de por vezes quando era pequenina pôr lá as mãos ou até mesmo mandar os brinquedos contra o branco que anteriormente as caracterizava, não podiam, é que não podiam relacionar-se mais com as marcas que também eu tenho, com as marcas que ainda em mim guardo e que para sempre me acompanharão, pois jamais se apagarão, independentemente da “líxivia” que possa usar para as eliminar. E depois tenho o móvel que mais roupa guarda minha que não tem mais por onde estar cheio. Também esse comigo é identificado, com todas aquelas vezes em que me fizeste explodir, com todas aquelas vezes em que me enches-te por completo e eu deixei de aguentar o que quer que fosse da tua parte. Mas olha, sabes uma coisinha? O mais engraçado disto tudo é que eu, embora fosse meu dever ter feito isto já à mais tempo,decidi finalmente limpar quarto. Já não há roupa espalhada pela cama, as gavetas já fecham sem serem forçadas, os tapetes voltaram ao seu lugar e é lá que ficam mesmo que passe por cima deles constantemente e até aquele móvel antes abarrutado, hoje já dá para repor o que quer que eu queira, pois espaço já não falta. Às marcas da parede? Pois essas como já disse não sairam, pois é impossível, mas não se preocupem que comprei umas coisas super giras que afixei e tapei-as a todas, a todinhas, pois pelo menos disfarça-las e esquecê-las ainda está ao meu alcance.Tudo isto para te dizer que para mim já não és nada, mudei o meu quarto, e mudei muitas mais coisas na minha vida, mandei para o lixo o que não presta e a ti?? A ti simplesmente expulsei-te, e deixei-te fora da minha vida PARA SEMPRE!

9 comentários:

Gabriela ♥ disse...

Amei *-*

cláudia disse...

obrigada minha linda a sério *

Daniela disse...

está lindo, lindo, lindo *-*

Martha disse...

está lindo *.*
adorei *

Daniela disse...

ó linda obrigada ^^

Gabriela ♥ disse...

Acho que tens toda a razão, obrigada querida :)

Martha disse...

eu sei , obrigada querida :)

тaтianap disse...

adoro! sigo*

disse...

adoro rute*