domingo, 3 de julho de 2011

É a vida... de hoje em dia!



Uma amiga pergunta-lhe: então então, como estás com o teu namorado?
Ela: com o meu namorado?
Amiga: Sim, o David.
Ela: Ah esse? Ai tu ainda não sabes? Esse já era! Estou noutra.
Amiga: Estás noutra? Como assim? Não gostas do David? Ainda há uma semana estavam tão bem!
Ela: Isso era à uma semana atrás, eu agora já o esqueci. Já namoro, portanto não quero falar mais dele, agora gosto do Pedro.
Amiga: Ah, desculpa então. Parabéns.
(Passam mais duas semanas) As amigas encontram-se.
Amiga: Olá! Pedro? Muito prazer.
Ele furioso: Pedro? Eu sou o Paulo!
Amiga envergonhada: Ai desculpa!
Ele: Bem, vou-me embora, estou farto que me confundam o nome.
Amiga: Desculpa, acho que fiz asneiras.
Ela: Não faz mal, esquece lá isso.
Amiga: Queres que vá falar com ele? Porque não corres atrás dele?
Ela: Venho já!
Amiga: Onde vais?
Ela: ter ali com um amigo com quem comecei a falar ontem! Ele é tãaao querido!
Amiga: ?

E agora façam-me um favor! Definam-me amor, defina-me “eu gosto dele/a” definam-me “namorado/a”. Ah! E já agora definam-me “esquecer”.
Estarei eu na geração errada?

2 comentários:

incógnita disse...

esse é o amor moderno...que definitivamente não é amor..

disse...

isto não é definitivamente amor. isto é uma atracção, se o chega a ser!