segunda-feira, 11 de julho de 2011

Império destruído

Tu gritas, tu choras, tu esperneias. Bates o pé numa tentativa de mostrar firmeza e liderança. Tu imploras, tu sufocas, tu deliras. Fazes-te firme para reconstruíres em segundos os cacos que deixas-te que invadissem o chão, e para fazeres o mundo esquecer-se do que viu de ti, da queda a que assistiu do grande, do poderoso, da pessoa que sempre se achou o rei. Eu olho, observo-te sem dizer uma palavra. Não entendes e continuas como uma criança embirrando os seus quereres. Eu continuo a ignorar, a deixar-me completamente à parte do que és, completamente excluída do teu mundo fútil, mimado e sem alicerces. Tu não entendes e continuas sem entender o porquê de eu permanecer ali na minha tranquilidade que nem tu consegues mudar, aí levantes a cabeça do chão, e olhas-me nos olhos. É nesse momento que te ajudo e não deixo que te arruínes.E chega então a hora em que, infinitamente, te desejo as maiores felicidades!

5 comentários:

Gabriela ♥ disse...

Que lindo *-*
Escreves tão bem :)

Daniela disse...

ai que lindo ^^

Gabriela ♥ disse...

Oh obrigada minha linda :)

Daniela disse...

eu acho mesmo que não vale a pena lamentarmo-nos, mesmo que às vezes seja inevitável. eu prefiro sorrir e assim encaro a vida com outros olhos :D

Babii disse...

Obrigada rute (:
tive de desabafar