sábado, 2 de julho de 2011

O que realmente me move.

Sim, corro mundos e fundos para ter, nem que seja por apenas um minuto, o sentimento compensador da vitória. Dou tudo de mim em cada segundo, cada vez mais e mais por acreditar que um dia poderei atingir o que mais quero, o que mais sonho. Viajo por esse mundo fora, por vezes voando, pois dou asas à imaginação e não há, não há mesmo quem me pare, quem me consiga abrandar.Construo o meu próprio mundo, e pinto o retrato do meu próprio e subjectivo meio envolvente. Dou pinceladas mal definidas, apenas cor. Isso mesmo, apenas cor se destaca nesse quadro, no quadro que revele as quatro paredes em que me prendo, que revela no fundo a essência da minha alma, o tamanho dos meus sonhos, a intensidade das minhas ambições. Sei que não é fácil, sei que neste mundo em que todos vivem, dar um paço em frente é muito complicado, por isso mesmo muitos optam por nem adiantar nada nem regredir, ficam sempre no mesmo lugar esperando o último dias das suas vidas. Eu não! Não pode ser assim! Eu não sei quando será o meu último suspiro, não sei quando direi Adeus a quem amo, pois não posso, não pode mesmo haver hipóteses de deixar o que quer que seja por fazer. O tempo é escasso, o relógio não abranda nem suaviza aqueles momentos em que desejamos isolamento, desejamos ser nós, apenas nós no mundo. Como um rio que corre, assim é a nossa vida, e também para ela vai haver um fim, também ela irá desaguar.Chamem-me de inocente ou até mesmo de criança, que eu não me importo. Simplesmente tenho uma missão neste mundo, tenho algo que me prende e que sempre me irá fazer mover. Quero fazer das palavras a minha boca, quero dar a cada letra, atribuir a cada carácter uma expressão do que sinto no meu interior. Quero fazer de cada texto a minha descrição, e viver, viver para a escrita. Não para ter reconhecimento, não para ter fama, mas sim para dar um pouco mais de mim aos outros, para dar a minha experiência de vida ao mundo que, mesmo sendo já quase a única, é uma dádiva gratuita  E só assim serei o que quero, um exemplo, uma marca de sobrevivência.

3 comentários:

Francisca Cochofel disse...

obrigada meu amor :) adoroo este*

disse...

adorei :)

dianneV disse...

Muito obrigada, querida !